Notícia de Cinema

“Faroeste Caboclo”, “Serra Pelada” e “Flores Raras” lideram a lista de finalistas do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro 2014

Premiação ganha nova categoria Comédia e elegerá melhor longa-metragem do gênero; Domingos Oliveira será o grande homenageado na cerimônia, dia 26 de agosto no Theatro Municipal do Rio de Janeiro

O Grande Prêmio do Cinema Brasileiro, maior premiação do cinema nacional, chega a sua 13ª edição em 26 de agosto. O evento será realizado no Theatro Municipal do Rio de janeiro e premiará os profissionais e filmes lançados comercialmente em 2013, além de homenagear o diretor e dramaturgo Domingos Oliveira. A lista de finalistas, votados pelos membros da Academia Brasileira de Cinema, tem novidades como a categoria de “Melhor Longa-Metragem de Comédia”. “É o prêmio mais valorizado do cinema brasileiro, porque é concedido pela classe cinematográfica. É o reconhecimento e o aplauso dos cineastas ao talento de seus pares. A comédia é uma tradição do cinema brasileiro, mas sempre foi pouco valorizada. Criando o prêmio Comédia, a Academia reconhece sua importância no desenvolvimento do nosso cinema” explica o Presidente da Academia Brasileira de Cinema Roberto Farias.

A cerimônia terá direção artística de Ivan Sugahara, um dos encenadores mais requisitados e plurais da cena contemporânea, que também assina o roteiro em parceria com o jornalista Rodrigo Fonseca, cenografia de Sérgio Marimba e iluminação de Paulo César Medeiros. O Grande Prêmio do Cinema Brasileiro será transmitido ao vivo pelo Canal Brasil e pelo site www.canalbrasil.com.br. O Grande Prêmio do Cinema Brasileiro 2014 é realizado pela Academia Brasileira de Cinema em parceria com a Espaço/Z, e conta com o patrocínio da TV Globo através da Lei Federal de Incentivo à Cultura do Ministério da Cultura. A premiação tem ainda copatrocínio da Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro, Cinemark, Telecine e Canal Brasil e apoio da Globo Filmes, Paramount Pictures, Sony Pictures, Lereby Produções, 20th Century Fox, Warner Bros., Kinoplex, Paris Filmes, Europa Filmes, Filme B, O2 Filmes, PwC, Clear Channel, UCI Cinemas, Adoro Cinema, Chandon, MPV7, Disaronn e Revista Exibidor.

Sobre os finalistas

“Faroeste Caboclo”, de Rene Sampaio, e “Serra Pelada”, de Heitor Dhalia, lideram as indicações com 13 menções cada um. “Flores Raras”, de Bruno Barreto, recebeu 12 indicações, seguido da comédia de Halder Gomes “Cine Holliúdy”, que concorre a 10 prêmios Grande Otelo. Ainda entraram na lista “O Som ao Redor”, de Kleber Mendonça Filho, e “Tatuagem”, de Hilton Lacerda, com oito indicações cada, “Somos tão jovens”, de Antonio Carlos da Fontoura, com cinco indicações, e “O Tempo e o Vento”, de Jayme Monjardim, que concorre em quatro categorias, mesmo número de indicações de “A Luz Do Tom”, de Nelson Pereira dos Santos.
A lista ainda destaca outros sucessos do cinema nacional, como o longa-metragem “Minha Mãe é uma Peça”, e “A Busca”, filme protagonizado por Wagner Moura, que receberam três indicações cada – também empatados como os documentários “Elena” e “Jorge Mautner - O Filho do Holocausto” e os longas “Mato Sem Cachorro” e “Uma História de Amor e Fúria”. “Dossiê Jango”, “Meu Pé de Laranja Lima”, “Minhocas”, “Dia que durou 21 Anos” e “São Silvestre” concorrem com duas indicações cada.

Completam a lista do Grande Prêmio do Cinema 2014 o longa-metragem “A Coleção Invisível”, indicado a “Melhor Roteiro Adaptado”, “Bonitinha, Mas Ordinária”, que rendeu indicação de Melhor Atriz Coadjuvante para Ângela Leal, “Corda Bamba” e “Tainá – A Origem”, que concorrem na categoria “Melhor Longa-Metragem Infantil”. Os filmes “Colegas” e “Meu Passado Me Condena" receberam indicação a “Melhor Longa-Metragem de Comédia”, e “Jards” concorre na categoria “Melhor Trilha Sonora”.

Votação popular

O Grande Prêmio de Cinema chega a sua segunda etapa de votação e abrirá espaço para o público escolher seus favoritos. Além dos membros da Academia Brasileira de Cinema, os cinéfilos poderão ajudar a eleger os vencedores do Grande Otelo nas categorias “Melhor Longa-Metragem Ficção”, “Melhor Longa-Metragem Documentário” e “Melhor Longa-Metragem Estrangeiro” em votação popular pelo site oficial da Academia (www.academiabrasileiradecinema.com.br).

Para o Presidente da Academia, Roberto Farias, é a chance de todos participarem do Grande Prêmio do Cinema: “Milhares de votos são dedicados pelo público todos os anos. Os filmes são feitos para a plateia e a Academia oferece a ela a oportunidade de premiar os filmes de sua preferência. É uma premiação pura, espontânea”. Os votos serão computados do dia 4 de agosto até a noite da premiação, no dia 26 de agosto.


Homenagens

O diretor e dramaturgo carioca Domingos Oliveira é o grande homenageado nesta edição. Responsável por grandes clássicos como “Todas as Mulheres do Mundo” (1966) – primeiro longa-metragem do diretor e que dá inspiração para o Grande Prêmio do Cinema 2014 – Domingos José Soares de Oliveira iniciou carreira no teatro antes de ir para o cinema e a televisão.

Com 23 filmes no currículo, além de outros títulos em que atuou como ator e roteirista, Domingos falou sobre as relações humanas em todas as suas obras. Seu mais recente trabalho é “Infância”, longa-metragem estrelado pela amiga de longa data Fernanda Montenegro, que classifica o diretor como um homem de visão de mundo inigualável: “tenho orgulho, sim, de ser amiga dele, de amá-lo, de respeitá-lo, de saber exatamente o quanto ele vale para todos nós, para a nossa cultura. Não só cinematográfica, mas também como pensador.”

O Departamento de Cinema e Vídeo da Universidade Federal Fluminense (UFF) também recebe homenagem especial no Grande Prêmio do Cinema 2014. O curso é um dos mais antigos e conceituados do país e continua a formar profissionais premiados como diretores e roteiristas além de professores, pesquisadores, curadores de mostras nas instituições de cultura, curta-metragistas, entre diversas outras atividades relacionadas ao audiovisual.

Planejado por Nelson Pereira dos Santos, o curso foi criado em 1968, em meio ao regime militar e passou a fazer parte do Instituto de Arte e Comunicação Social. Somente em 2008, o polo de cinema e audiovisual da UFF foi formalizado e ganhou coordenação própria. Para manter uma produção efervesceste e garantir a independência criativa de seus alunos, o departamento mantém convênios com cinematecas, laboratórios, prestadores de serviços e agências de fomento. O professor José Marinho receberá a homenagem especial em nome do Departamento de Cinema e Vídeo da Universidade Federal Fluminense.

Sobre a Academia Brasileira de Cinema:

A Academia Brasileira de Cinema foi criada em 2002 e tem sede no Rio de Janeiro. A instituição tem o intuito de contribuir para a promoção e fortalecimento do cinema como manifestação artística, colaborando, desta forma, no fortalecimento da indústria cinematográfica brasileira. Atualmente, a Academia tem mais de 200 sócios, todos profissionais que trabalham com cinema em diversas áreas: produtores, diretores, atores e técnicos.

Sobre o Grande Prêmio do Cinema:

Criado em 2002 junto à fundação da Academia, o Grande Prêmio do Cinema Brasileiro é votado pelos profissionais da indústria cinematográfica, sócios da Academia, e celebra a produção do cinema brasileiro como explica o Presidente Roberto Farias: “É conhecida a regra de que, quando o cinema nacional faz sucesso, esquenta o mercado e todos ganham. Como diria Euclides da Cunha, “o cineasta brasileiro é antes de tudo um forte, e a Academia sua fortaleza”. Cada vez mais forte, nossa Academia orgulha-se do cinema brasileiro e seus cineastas”.

A votação do prêmio acontece em duas etapas. Na fase de indicação são escolhidas as cinco obras e profissionais representantes de cada categoria que passarão para a etapa seguinte. Na fase seguinte, são escolhidos os vencedores através de nova votação entre os sócios e participação do público nas categorias “Melhor Longa-Metragem Ficção”, “Melhor Longa-Metragem Documentário” e “Melhor Longa-Metragem Estrangeiro”.

O acompanhamento e auditoria do sistema de votação do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro é feito pela PwC, a mesma empresa de auditoria que faz a apuração do Oscar.

Confira a lista completa:

MELHOR LONGA–METRAGEM DE FICÇÃO

- CINE HOLLIÚDY de Halder Gomes. Produção: Halder Gomes e Dayane Queiroz por ATC;
FAROESTE CABOCLO de Rene Sampaio. Produção: Bianca De Felippes por Gávea Filmes e Produções, Marcello Maia por República Pureza e René Sampaio por Fogo Cerrado Filmes.
 - FLORES RARAS de Bruno Barreto. Produção: Lucy Barreto e Paula Barreto por LCBarreto e Filmes do Equador;
- O SOM AO REDOR de Kleber Mendonça Filho. Produção: Emilie Lesclaux por Cinemascópio Produções;
- TATUAGEM de Hilton Lacerda. Produção: João Vieira Jr, Chico Ribeiro e Ofir Figueiredo por REC Produtores Associados.

MELHOR LONGA–METRAGEM DOCUMENTÁRIO
- A LUZ DO TOM de Nelson Pereira dos Santos. Produção: Márcia Pereira dos Santos por Regina Filmes Ltda e Maurício Andrade Ramos por Videofilmes;
- DOSSIE JANGO de Paulo Henrique Fontenelle. Produção: Paulo Mendonça por Canal Brasil;
- ELENA de Petra Costa. Produção: Petra Costa por Busca Vida Filmes
- JORGE MAUTNER – O FILHO DO HOLOCAUSTO de Pedro Bial e Heitor D’Alincourt. Produção: Paulo Mendonça por Canal Brasil e Pedro Bial;
- O DIA QUE DUROU 21 ANOS de Camilo Tavares. Produção: Karla Ladeia por Pequi Filmes;
- SÃO SILVESTRE de Lina Chamie. Produção: Denise Gomes e Paula Cosenza por BossaNovaFilms e Girafa Filmes.

MELHOR DIREÇÃO

- BRUNO BARRETO por Flores Raras
- HALDER GOMES por Cine Holliúdy
- HEITOR DHALIA por Serra Pelada
- HILTON LACERDA por Tatuagem
- KLEBER MENDONÇA FILHO por O som ao redor

MELHOR ATRIZ

- FERNANDA MONTENEGRO COMO BIBIANA por O tempo e o vento
- GLORIA PIRES COMO LOTA DE MACEDO SOARES por Flores Raras
- ISIS VALVERDE COMO MARIA LUCIA por Faroeste Caboclo
- LEANDRA LEAL COMO ZOÉ por Mato sem cachorro
- SHOPHIE CHARLOTTE COMO TEREZA por Serra Pelada

MELHOR ATOR

- EDMILSON FILHO COMO FRANCISGLEYDISSON por Cine Holliúdy
- FABRÍCIO BOLIVEIRA COMO JOÃO DE SANTO CRISTO por Faroeste Caboclo
- IRANDHIR SANTOS COMO CLÉCIO por Tatuagem
- IRANDHIR SANTOS COMO CLODOALDO por O som ao redor
- JESUÍTA BARBOSA COMO FININHA por Tatuagem
- WAGNER MOURA COMO THEO GADELHA por A Busca

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

- ALEXANDRA RICHTER COMO IESA por Minha mãe é uma peça – o filme
- ANA MARLENE COMO MÃE DO WALDISNEY por Cine Holliudý
- ÂNGELA LEAL COMO DONA BERTA por Bonitinha, mas ordinária
- BIANCA COMPARATO COMO CARMEM TEREZA por Somos tão jovens
- SANDRA CORVELONI COMO DONA CARMINHA por Somos tão jovens

MELHOR ATOR COADJUVANTE

- ANTÔNIO CALLONI COMO MARCO AURÉLIO por Faroeste Caboclo
- BRUNO TORRES COMO FÊ LEMOS por Somos tão jovens
- JESUÍTA BARBOSA COMO NAVALHADA por Serra Pelada
- MATHEUS NACHTERGAELE COMO CORONEL CARVALHO por Serra Pelada
- WAGNER MOURA COMO LINDO RICO por Serra Pelada

MELHOR LONGA-METRAGEM DE ANIMAÇÃO

- MINHOCAS de Paolo Conti. Produção: Paolo Conti por Animaking Produções, promoções artísticas e cinematográficas e com Ltda e Paulo Boccato por Glaz Entretenimento Ltda.
- UMA HISTÓRIA DE AMOR E FÚRIA de Luiz Bolognesi. Produção: Caio Gullane, Fabiano Gullane, Débora Ivanov e Gabriel Lacerda por Gullane Entretenimento, Laís Bodanzky, Luiz Bolognesi e Marcos Barreto por Buriti Filmes

MELHOR LONGA-METRAGEM INFANTIL

- CORDA BAMBA de Eduardo Goldenstein. Produção: Eduardo Goldenstein e Katya Goldenstein por Aion Cinematográfica Ltda.
- MEU PÉ DE LARANJA LIMA de Marcos Bernstein. Produção: Katia Machado por Pássaros Films do Brasil Audiovisuais Ltda.
- MINHOCAS de Paolo Conti. Produção: Paolo Conti por Animaking Produções, promoções artísticas e cinematográficas e com Ltda e Paulo Boccato por Glaz Entretenimento Ltda.
- TAINÁ – A ORIGEM de Rosane Svartman. Produção: Pedro Rovai e Virginia Limberger por Sincrocine Produções cinematográficas.

MELHOR DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA

- ADRIAN TEIJIDO, ABC por A Busca;
- AFFONSO BEATO, ASC, ABC por O tempo e o vento;
- GUSTAVO HADBA por Faroeste Caboclo;
- LITO MENDES DA ROCHA por Serra Pelada;
- MAURO PINHEIRO JR, ABC por Flores Raras.

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE

- JOSÉ JOAQUIM SALLES por Flores Raras;
- JULIANO DORNELLES por O som ao redor;
- MARCELO ESCAÑUELA por A Busca;
- RENATA PINHEIRO por Tatuagem;
- TIAGO MARQUES por Faroeste Caboclo;
- TIZA DE OLIVEIRA por O tempo e o vento;
- TULÉ PEAKE por Serra Pelada;

MELHOR FIGURINO

- BIA SALGADO por Serra Pelada;
- CHRIS GARRIDO por Tatuagem;
- JOANNA FONTELLES por Cine Holliúdy;
- MACELO PIES por Flores Raras;
- VALÉRIA STEFANI por Faroeste Caboclo;

MELHOR MAQUIAGEM

- ANCELMO SAFFI por Flores Raras;
- AURI MOTA por Faroeste Caboclo;
- CRIS PIRES por Cine Holliúdy;
- DONNA MEIRELLES por Tatuagem;
- SIVA RAMA TERRA por Serra Pelada.

MELHOR EFEITO VISUAL

- BRUNO MONTEIRO por Uma história de amor e fúria;
- CARLOS EDUARDO NOGUEIRA por O som ao redor;
- OMAR COLOCCI E RAFAEL RODRIGUES por Faroeste Caboclo;
- ROBSON SARTORI por Flores Raras;
- ROBSON SARTORI por Serra Pelada.

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL

- ANDRÉ PEREIRA por Mato sem cachorro;
- HALDER GOMES por Cine Holliudý;
- HEITOR DHALIA e VERA EGITO por Serra Pelada;
- HILTON LACERDA por Tatuagem;
- KLEBER MENDONÇA FILHO por O som ao redor.

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO

- BERNARD ATTAL, IZIANE MASCARENHAS e SERGIO MACHADO – Adaptado da obra “A coleção invisível” de Stefan Zweig – por A coleção Invisível;
- JULIE SAYRES e MATTHEW CHAPMAN – adaptado da obra “Flores Raras e Banalíssimas” de Carmen L. de Oliveira e baseado no roteiro de Carolina Kotscho, AC – por Flores Raras;
- MARCOS BERNSTEIN e MELANIE DIMANTAS – adaptado da obra “O Meu pé de laranja lima” de José Mauro de Vasconcelos – por Meu pé de laranja lima;
- MARCOS BERNSTEIN e VICTOR ATHERINO – adaptado da música “ Faroeste Caboclo” de Renato Russo, Legião Urbana – por Faroeste Caboclo;
- NELSON PEREIRA DOS SANTOS e MIUCHA – adaptado da obra “Antônio Carlos Jobim, o homem iluminado” de Helena Jobim – por A luz do Tom;
- PAULO GUSTAVO e FIL BRAZ adaptado da peça teatral “’Minha mãe é uma peça” de Paulo Gustavo – por Minha mãe é uma peça – o filme.

MELHOR MONTAGEM FICÇÃO

- DIRCEU LUSTOSA por Somos tão jovens;
- HELGI THOR por Cine Holliúdy;
- KLEBER MENDONÇA FILHO e JOÃO MARIA por O som ao redor;
- LETÍCIA GIFFONI por Flores Raras;
- MARCIO HASHIMOTO por Faroeste Caboclo.

MELHOR MONTAGEM DOCUMENTÁRIO

- ALEXANDRE SAGGESE e LUCIANE CORREIA por a Luz do Tom;
- CESAR TUMA e VERÔNICA SAENZ por O dia que durou 21 anos;
- LEYDA NÁPOLES por Jorge Mautner – o filho do holocausto;
- MARÍLIA MORAES e TINA BAZ por Elena;
- PAULO HENRIQUE FONTENELLE por Dossiê Jango.

MELHOR SOM

- ALESSANDRO LAROCA, ARMANDO TORRES JR. e EDUARDO VIRMOND LIMA por Uma história de amor e fúria;
- ALFREDO GUERRA E ÉRICO PAIVA por Cine Holliúdy;
- JOÃO GODOY, MÁRTIN GRIGNASCHI, DIEGO GAT e LUCAS MEYERE por Serra Pelada;
- JORGE SALDANHA, ALESSANDRO LAROCA, ARMANDO TORRES JR. e EDUARDO VIRMOND LIMA por O tempo e o vento;
- LEANDRO LIMA, MIRIAN BIDERMAN, ABC, RICARDO CHUÍ e PAULO GAMA por Faroeste Caboclo;
- PAULO RICARDO NUNES, ALESSANDRO LAROCA e ARMANDO TORRES JR. por Flores Raras.

MELHOR TRILHA SONORA

- FIL PINHEIRO por Elena;
- JARDS MACALÉ por Jards;
- JORGE MAUTNER por Jorge Mautner – o filho do holocausto;
- LINA CHAMIE por São Silvestre;
- PAULO JOBIM por a Luz do Tom.

MELHOR TRILHA SONORA ORIGINAL

- ANTÔNIO PINTO por Serra Pelada;
- CARLOS TRILHA por Somos tão jovens;
- DJ DOLORES por O som ao redor;
- MARCELO ZARVOS por Flores Raras;
- PHILLIPE SEABRA por Faroeste Caboclo.


MELHOR CURTA-METRAGEM FICÇÃO

- AU REVOIR de Milena Times;
- FRERTE de Hsu Chien;
- LINGUAGEM de Luis Rosemberg Filho;
- OS IRMÃOS MAI de Thais Fujinaga;
- TODOS OS DIAS EM QUE SOU ESTRANGEIRO de Eduardo Morotó.

MELHOR CURTA-METRAGEM DOCUMENTÁRIO

- A GUERRA DOS GIBIS de Thiago Brandimarte Mendonça;
- ATÉ O CÉU LEVA MAIS OU MENOS 15 MINUTOS de Camilla Battistetti;
- CONTOS DA MARÉ de Douglas Soares;
- GERICINÓ de Gabriel Medeiros e Maria Clara Senra;
- LUNA E CINARA de Clara Linhart.

MELHOR CURTA-METRAGEM ANIMAÇÃO

- ENGOLE OU COSPERVILHA de David Mussel, Fernanda Valverde, Gabriel Bitar, Giuliana Danza, Jonas Brandão, Marcelo Marão, Pedro Eboli, Zé Alexandre;
- FAROESTE de Wesley Rodrigues;
- GRAFFITI DANÇA de Rodrigo EBA;
- MACACOS ME MORDAM de Sávio Leite;
- O MENINO QUE SABIA VOAR de Douglas Alves Ferreira;
- PALEOLITO de Ismael Lito e Gabriel Calegario;
- QUINTO ANDAR de Marcos Nick;
- UM DIA DE TRABAJO de Francisco Rosatelli.

MELHOR LONGA-METRAGEM ESTRANGEIRO

- A GRANDE BELEZA/La grande bellezza de Paolo Sorrentino. Distribuição Vinny Filmes/Europa Filmes
- AMOR/Amour de Michael Haneke. Distribuição: Imovision;
- AZUL É A COR MAIS QUENTE/La Vie d'Adele de Addellatif Kechiche. Distribuiição: Imovision;
- BLUE JASMINE/Blue Jasmine de Woody Allen.Distribuição: Imagem Filmes;
- DJANGO LIVRE/Django Unchained de Quentin Tarantino. Distribuição: Columbia/Sony.

MELHOR LONGA-METRAGEM COMÉDIA

- COLEGAS de Marcelo Galvão. Produção: Marcelo Galvão por Gata Cine Produções;
- MATO SEM CACHORRO de Pedro Amorim. Produção: Eliane Ferreira por Mixer e Malu Miranda por Lupa Filmes;
- MEU PASSADO ME CONDENA de Julia Rezende. Produção: Mariza Leão por Atitude Produções;
- CINE HOLLIÚDY de Halder Gomes. Produção: Halder Gomes e Dayane Queiroz por ATC;
- MINHA MÃE É UMA UMA PEÇA – O FILME de André Pellenz. Produção: Iafa Britz por Migdal Filmes.




11.06.2014

Serra Pelada vence Festival de Cinema Brasileiro na Rússia

Pela primeira vez desde que a premiação foi criada,
Festival contempla também os votos da audiência em São Petersburgo
 São Paulo, junho de 2014 – O longa Serra Pelada, de Heitor Dhalia, foi escolhido o melhor filme da Mostra de Cinema Brasileiro na Rússia, que aconteceu em Moscou, de 27 de maio a 1º de junho, e em São Petersburgo, de 4 a 7 de junho. Juntas, as duas cidades somaram um público de mais de 5.000 pessoas. Com votação realizada há três anos em Moscou, foi a primeira vez que o público de São Petersburgo também pôde escolher o melhor filme do Festival. Realizada pela Linhas Produções Culturais, em parceria com a Embaixada do Brasil, em Moscou, e com o Departamento Cultural do Ministério das Relações Exteriores, a Mostra chegou este ano à 7ª edição em Moscou e à 4ª em São Petersburgo.
Em sete anos, 86 filmes brasileiros já foram exibidos na Rússia. Em 2014 foram escolhidas oito produções brasileiras.  Além de Serra Pelada, fizeram parte do circuito A Busca, de Luciano Moura; Cine Holliúdy, de Halder Gomes; Até que a Sorte nos Separe 2, de Roberto Santucci; O Tempo e o Vento, de Jayme Monjardim; Eles Voltam, de Marcelo Lordello; O Abismo Prateado, de Karim Aïnouz; e Latitudes, de Felipe Braga.
O diretor Halder Gomes, de Cine Holliúdy,  esteve presente na abertura do Festival em São Petersburgo e participou, na última sexta-feira (6), de um debate com o público após a exibição do seu filme.
O Festival de Cinema Brasileiro fez parte, este ano, dos Dias de Brasil na Rússia, série de eventos culturais e uma das maiores manifestações da arte brasileira já vistas naquele país. Todas as atrações – música, artes plásticas, dança, literatura, gastronomia, teatro e cinema se estendem ao longo de quase dois meses, finalizando em julho.
Mais informações:
Linhas Comunicação - www.linhascomunicacao.com.br
Tel.: (11) 3465-5861/ (11) 3465-5862
Leonardo Pachelle – leonardo@linhascomunicacao.com.br
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...