quinta-feira, 12 de abril de 2018

Crítica: Rampage: Destruição Total



Rampage: Destruição Total
por Joba Tridente

Para variar na ignorância, a primeira vez em que vi o cartaz de Rampage: Destruição Total, tendo em primeiro plano o Dwayne Johnson e logo atrás um gigantesco gorila, pensei tratar-se (já?) da prometida continuação do assim-assim (King) Kong: A Ilha da Caveira (2017)..., em que o símio enfrentará o Godzilla. Mas, para minha surpresa de néscio em games, o pôster era da adaptação do jogo homônimo (de que nunca tinha ouvido falar). Já que não me importa a origem, mas o itinerário e o final de uma trama que promete ação e aventura, arrisquei a cabine especial do filme. Isto posto, vamos ao play que interessa.


Rampage: Destruição Total, dirigido por Brad Peyton (que acertou em Como Cães e gatos - 2 e escorregou em Viagem 2: A Ilha Misteriosa e Terremoto - A Falha de San Andreas), acompanha a rotina de cuidados do sensível primatologista Davis Okoye (Dwayne Johnson) para com os símios de uma Reserva e a sua busca desenfreada por um antídoto para o gorila albino George (um animal extremamente inteligente e dócil), vítima de um experimento genético que o transformou em uma criatura corpulenta e feroz, colocando em risco a vida de todos ao seu redor. Nessa corrida contra o tempo, para salvar o seu amigo e para evitar uma catástrofe urbana, Davis, que confia mais nos primatas que nos humanos, unirá forças com a geneticista Kate Caldwell (Naomie Harris) e enfrentará a ira de um exército de militares imbecis (óbvio!) e o dúbio Agente Russell (Jeffrey Dean Morgan), que anda atrás de Claire Wyden (Malin Åkerman) e seu irmão Brett (Jake Lay), responsáveis pelo experimento ilegal que atingiu também um lobo e um crocodilo.
  

Indo atrás de informação sobre o Game Rampage, para conferir “referências”, a verdade é que, tirando a tradicional cultura norte-americana de destruição (também) arquitetônica em plataformas do gênero, a versão cinematográfica (para desespero dos fãs gamers?) é apenas levemente inspirada nos personagens destrutivos dos jogos Rampage (1986) e Rampage: Total Destruction (2006)..., onde o jogador controla cada um dos três monstros: George (gorila tipo King Kong), Lizzie (lagarto tipo Godzila) e Ralph (lobisomem gigante) - que são humanos mutantes: George era um homem de meia-idade, Lizzie, uma jovem, e Ralph, um idoso.

Diferente (?) dos bonequinhos George, Lizzie e Ralph, que eram humanos e viraram animais que incansavelmente destroem prédios em Las Vegas, os animais (gorila, lobo, crocodilo) do filme são animais mesmos, só que, modificados geneticamente e apenas o gorila tem nome (George). Os três se dirigirem à Chicago, não para destruir todos os edifícios que encontrarem pelo caminho (ainda que destruam tudo que encontram pela frente), mas porque são impelidos por um “chamado”. É nessa cidade que os três animais (instintivamente rivais) vão se defrontar com um inimigo em comum e com eles mesmos.


Em se tratando de Brad Peyton (discípulo de Roland Emmerich, o destruidor de mundos?), que está se aperfeiçoando no gênero catastrash (como visto em Terremoto), o público já sabe o que esperar. Não faltam militares ensandecidos com dedos nos gatilhos e no botão da “bomba mãe” (típico de todos os filmes de monstrengos e ou de aliens), toneladas de escombros, carros voando e aviões caindo, muitas mortes (sem sangue)..., cenas que, se reais, apavorariam. Mas Hollywood, aposta mesmo é no entretenimento infantojuvenil passageiro e então faz tais cenas parecerem engraçadas (ainda que indigestas), tamanho o exagero e a abundância de clichês. Concorrendo com essa gente endinheirada de Los Angeles, a Asylum (com sua inesgotável fonte de trash, que também serve aos hollywoodianos) vai acabar perdendo espaço. Será? Ah, e por falar em Asylum, olha, cala-te boca sobre o Mega Tubarão que vem por aí!


Enfim, embora Rampage: Destruição Total não vá muito além da mesmice do gênero catástrofe e considerando que (com a tacanha direção de atores) a performance do bom elenco beire a caricatura, o que não faz muita diferença, se você decididamente não levar o filme a sério, já que ele também não se leva; que mesmo o Dwayne Johnson (divertidíssimo em Jumanji - Bem-Vindo à Selva), ator-fetiche de Brad Peyton (que o coloca sempre em primeiro plano, destacando o seu tamanho desproporcional em relação ao elenco) poderia render bem mais; achando que nem todas as piadas funcionam (embora tenha rido um bocado), mas que tem gags visuais ótimas (a cartunesca do George com a empresária Claire Wyden, no final, é muito legal); levando em conta que quem rouba todas as cenas é o devastador trio de animais (em razoável CGI) e que, diferente de O Jogador N.º 1, não tem cara de filme-game e é bem mais engraçado..., talvez por se tão alucinantemente bobo e flertar tão acintosamente com o trash (da Asylum), procurando não me importar com o indefectível culto bélico estadunidense, acabei gostando desse entretenimento infantojuvenil divertido e descartável. Ainda que o violentíssimo grande final (e único possível?) não deixe (?) margem para continuação, adoraria ver o trio animalesco se pegando novamente em filme solo...

Dica: Não espere nada mais que diversão passageira com bom humor (às vezes involuntário)! Caso contrário, o seu mau humor vai sobrar até pro game, que como já disse, aqui só está de passagem (ou seria: de paisagem?)


*Joba Tridente: O primeiro filme vi (no cinema) aos 5 anos de idade. Os primeiros vídeo-documentários fiz em 1990. O primeiro curta (Cortejo), em 35mm, realizei em 2008. Voltei a fazer crítica em 2009. Já fui protagonista e coadjuvante de curtas. Mas nada se compara à "traumatizante" e divertida experiência de cientista-figurante (de última hora) no “centro tecnológico” do norte-americano Power Play (Jogo de Poder, 2003), de Joseph Zito, rodado aqui em Curitiba.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...